FOMENTO PARA INOVAR: INVESTIR EM RECURSOS É O CAMINHO PARA O SUCESSO

fomento inovar sucesso

Ter uma ideia e colocar no papel é somente uma das etapas de inovação. Ao materializar qualquer etapa de um planejamento de inovação, da multinacional ao pequeno inventor, a captação de recursos financeiros é uma fase crucial na busca pela viabilização econômico-financeira de um projeto.

Para ser bem-sucedido, o projeto deve apresentar uma significativa atratividade aos agentes de financiamento. Com o aumento da relevância da inovação no dia a dia corporativo, provocando aumento da produtividade, competitividade empresarial e na geração de riqueza para o país, o apoio à inovação tem sido uma prioridade de diversos agentes de fomento no Brasil.

Recursos estratégicos: Finep

A FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos é uma empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e tem como missão:

Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, institutos tecnológicos, centros de pesquisas e outras instituições públicas ou privadas, mobilizando recursos financeiros e integrando instrumentos para o desenvolvimento econômico e social do País.

O apoio da FINEP abrange todo o ciclo de CI&T, da pesquisa básica até o desenvolvimento de produtos, serviços e processos nas empresas. Sua atuação se dá por meio de diversos instrumentos:

  • Financiamentos reembolsáveis (empréstimos com condições diferenciadas para empresas);

  • Financiamento não Reembolsável a Instituições Científica, Tecnológica e de Inovação,

  • Outras formas de apoio à inovação (subvenção econômica, operações de investimento e capital de risco).

As modalidades de apoio podem ser oferecidas diretamente pela Finep ou de forma descentralizada, por meio de agentes financeiros ou parceiros estaduais.

Principais desafios da inovação para a Finep

A Finep dispõe de um funding de R$ 5 bilhões, mais um extra de US$ 1,5 bilhão. A empresa financia diversos itens, como máquinas, equipamentos (mesmo importados) e equipe própria. Para a Finep, o impacto e o ineditismo da tecnologia determinam a taxa de juros. O apoio financeiro pode ser personalizado de acordo com o grau de inovação e risco. Quer uma dica?  Quanto mais inovador o projeto, maior pode ser o apoio.

A própria Finep destaca ser um mito o de que a inovação é sinônimo de tecnologia de ponta: entre as linhas apoiadas pela instituição há financiamentos para diferenciação de produtos, processos e serviços; redução de custos; e até mesmo difusão de tecnologias.

Já entre os setores prioritários estão saúde e qualidade de vida, química, agronegócio e alimentos, indústria aeroespacial e defesa, óleo e gás.

Os principais desafios que a Finep se propõe a enfrentar por meio da promoção da inovação são:

  • Dotar a economia brasileira de capacidade de inovação para o enfrentamento de desafios nacionais e globais;

  • Estimular a implantação de atividades contínuas de P&D nas empresas;

  • Apoiar a inserção de empresas inovadoras nos mercados nacional e global;

  • Elevar a competitividade das empresas e instituições brasileiras;

  • Reverter a vulnerabilidade externa das empresas e instituições nacionais nos segmentos intensivos em tecnologia;

  • Estimular a participação do capital privado em inovação;

  • Apoiar inovações que promovam a sustentabilidade.

Inovacred

Uma dica essencial é o novo programa Inovacred: uma linha de financiamento cujo objetivo é incentivar pequenas e médias empresas (faturamento até R$ 90 milhões ano) que queiram desenvolver um novo projeto de inovação, ou seja, pretendem investir no desenvolvimento de novos produtos e serviços ou melhorar os existentes.

A grande vantagem do Inovacred é oferecer condições extremamente atraentes em termos de juros, que giram, em média, em torno de 8 a 9% ao ano, uma taxa muito abaixo da grande maioria das linhas de financiamento existentes, até mesmo se considerarmos os programas com juros reduzidos do BNDES ou de outros bancos do Governo.

Se tanto para grande empresa, que buscam caminhos alternativos para lançar novos produtos, quanto para as menores que querem abrir mercado, buscar recursos é um desafio diário.

Da ideia ao protótipo e teste de mercado, os valores aplicados podem ser fatais para o negócio. Por isso, entender os objetivos da fonte que fornece recursos é um ponto relevante e estratégico.

Nós, da 4C Innovation, somos uma empresa com foco na implantação do processo de inovação, execução do projeto e o apoio na busca de recursos de fomento. Confira o nosso modelo que leva o empreendedor dentro dessa jornada de inovação, o conduzindo dentro de questões importantes como mercado, tecnologia e as finanças de seu projeto. Com isso o projeto do produto é iniciado com informações fundamentais para o sucesso, tornando realidade o seu sonho!

Gostou do nosso texto? Continue lendo nossos materiais, assistindo aos vídeos e assine nossa newsletter para ter ainda mais conteúdo sobre inovação para sair do papel e conquistar seu mercado.

AS COMPETÊNCIAS QUE TODO INOVADOR DEVE TER

competências inovador

O desafio de evoluir como profissional faz parte do dia a dia de empreendedores. A criatividade é uma competência que permite o desenvolvimento de ideias inovadoras, vamos buscar apontar as competências que formam os principais destaques no mercado atual da inovação.

Ao pensar em inovação, as pessoas buscam referências mundiais como Google, Apple, 3M e esquecem que elas podem ser inovadoras nas suas competências diárias. Empresas mundiais criam inovações que mudam o mundo, como um avião, carro ou computador. Mas, dentro do universo das inovações, podemos prever que 99% são pequenas ou incrementais, que ocorrem no dia a dia. São as pequenas mudanças do cotidiano, que com muito planejamento, transformam sua empresa e sua mentalidade. Aquela sua ideia aplicada na rotina do seu trabalho e que permitiu um ganho de produtividade não deixa de ser inovação.

Mas, como ser mais inovador? Separamos algumas dicas para ajudar você a tornar-se ainda mais inovador.

Como me tornar inovador?

Um dos desafios de qualquer empresa ou empreendedor é justamente começar. Mostrar sua ideia para um amigo, não vale, ok? Convém destacar que em uma empresa é essencial que os líderes sejam facilitadores e transformadores para viabilizar um modelo de gestão da inovação. Ser inovador está muito mais vinculado ao processo do que ao lado criativo!

A prática diária irá elevar a sua habilidade e, assim, sua capacidade de gerar novas ideias e executá-las. Falando parece muito mais fácil do que é na prática, não é?

Antes de continuarmos, vamos somente deixar claro o que é inovação!

Inovação pode ser classificada como toda nova ideia aplicada em processos e produtos que são desenvolvidos e geram resultados econômicos para os envolvidos. Uma inovação, além de produtos, também pode ser o desenvolvimento de novos métodos, novos processos, novas formas de organização de trabalho, abertura de novos mercados e a criação de novas fontes de geração de renda.

Agora que já está mais claro o que é inovação, fica ainda mais evidente que uma inovação não acontece do dia para a noite. O mundo está repleto de pessoas com ideias brilhantes mas que não as tiram do papel.

 “O mundo precisa de sonhadores e o mundo precisa de fazedores. Mas, acima de tudo, o mundo precisa de sonhadores que fazem.”  Sarah Ban Breathnach

Porém inovação não é algo simplesmente novo. É algo novo que traz resultados para a empresa. Mais do que isso, é preciso separar inovação de melhoria.

Trabalhar em um ambiente inovador é motivador porque os indivíduos percebem seu crescimento e buscam superar as barreiras com mais criatividades. Uma empresa inovadora valoriza os talentos e, com isso, respondem mais rapidamente ao mercado com novas ideias, projetos e clientes mais satisfeitos. Seu desafio com a gestão de competências que indicamos nesse documento é o de conseguir configurar um ambiente que replique seu comportamento e repita o modelo de inovação com fluxo continuo, estruturado e gerenciável.

As competências no seu DNA

Nossas dicas de competências são referenciadas na obra escrita pelo guru da inovação, Clayton M. Christensen, com colaboração de Hal Gregersen e Jeff Dyer: DNA do Inovador. Nela, os autores explicam em detalhes como desenvolver as cinco competências fundamentais para ser um profissional inovador.

Segundo o livro, apesar de existir um “DNA” da inovação, qualquer pessoa pode desenvolver as habilidades que permitem pensar de forma inovadora. Christensen ilustra com exemplos reais que é possível mudar a essência de uma pessoa para que se torne mais do que um executor.

Christensen (eleito pelo Thinkers 50 o mais influente pensador vivo do management mundial) demonstram como qualquer pessoa pode desenvolver essas cinco habilidades, necessárias para se tornar um inovador. As dicas fazem parte do resultado de oito anos de pesquisas e entrevistas com quase 1.000 executivos e empreendedores de sucesso em empresas como Apple, Amazon e Google.

Mas quais são as habilidades que diferenciam os inovadores dos profissionais comuns?

Associar

A arte de associar é um diferencial e faz muito sentido como habilidade. Poder enxergar um segmento e aplicar em outro é algo utilizado para inovar. Henry Ford utilizou sua experiência em uma empresa de alimentos para criar a linha de montagem dos primeiros da sua montadora de carros. Ou seja, o desafio é ligar de forma simples e prática diferentes perspectivas, problemas e ideias para atingir um resultado novo e positivo.

Questionar

Quem não questiona, não evolui. Ou pior, torna-se meramente um executor. Ao fazer boas perguntas, você sai da zona de conforto e cresce. Os inovadores são os que fazem mais perguntas e nunca estão satisfeitos com a performance. Afinal, tudo sempre pode ser melhorado. Você pode começar com o básico: Por que fazemos isso? Como ser mais rápido e manter a qualidade? Por que nunca fizemos de forma diferente? Desafie o senso comum.

Observar

Prestar atenção nos detalhes fará, inclusive, que você faça perguntas melhores. E, com isso, inove! Ouvir clientes, compreender a cultura da empresa e alterar para evoluir será seu papel como observador. Não adianta sair correndo para apagar um incêndio sem compreender sua causa.

Trabalhar em rede / networking

Para pensar fora dos seus limites, muitas vezes será necessário interagir com pessoas das mais diversas áreas e atividades do conhecimento. E, um dos principais benefícios de um mundo conectado é justamente a possibilidade de trabalhar em rede. Um ponto de vista não explorado ou um insight de um colega de outra parte do mundo pode ser extremamente útil para uma inovação. Gerações diferentes, conhecimentos diversos em um mix cultural fará bem para você e para a sua empresa. Ao trabalhar em rede, o profissional também exerce habilidades de negociação e de resiliência.

Experimentar

Um ponto essencial em inovação é justamente a capacidade de experimentar e, com isso, evoluir. Vale errar, sim mas há meio de errar de forma inteligente, corrigindo rápido e ajustando seu projeto com isso. O principal desafio da inovação é compreender, achar o erro um fracasso é limitar o seu sucesso. Inovação precisa de testes e experiências. Como ocorre em qualquer pesquisa, uma ideia ou projeto nem sempre alcança o mercado, mas sempre entregará algum retorno de conhecimento.

Planejamento, avaliação de cenário, protótipo, teste de mercado e lançamentos de itens inédito demandam custos que podem não trazer retorno. Somente inova quem erra!

Em muitos casos, a tão famosa inovação estava dentro de casa e faltou olhar com mais carinho para os próprios profissionais, como você!

Descobrir novos remédios, desenhar e investir em algo radicalmente novo, projetar um produto inovador e testar a reação do público num novo mercado são tarefas que pedem por erros inteligentes. Experimentar permite coletar dados sobre o comportamento esperado no futuro.

Execução com retorno na prática

O dia a dia poderá consumir sua rotina, por isso, além dos itens acima, um profissional inovador contempla ainda as capacidades de: analisar, planejar, ver detalhes e regular o tempo.

Analisar demanda optar e ver os dados para decisões orientadas. O planejamento requer mapear e buscar metas com foco claro dos objetivos. Os detalhes estão nos refinamentos e nas revisões dos itens validados ao longo do seu processo de inovação. E, por fim, ajustar seu tempo é conseguir gerenciar a agenda e buscar cumprir seu planejamento ou cronograma!

A rotina com base nos itens acima, certamente garantirá sua capacidade de gerar inovações e transformar em itens de execução com retorno tangível.

Como dica extra, o livro sobre o DNA dos inovadores ainda traz um teste para você calcular o seu DNA inovador.

Os 4C da Inovação

Para nós, um modelo de competências é o que forma o modelo 4C de criação de inovação, porque inovar envolve mais do que somente criar, mas envolve planejar, testar e experimentar coisas novas. Conhecer os diferenciais e competências permite criar times de mais performance e sucesso.

Curiosidade

A curiosidade é o elemento básico da inovação e é a partir dela que o processo de desenvolvimento começa. Senão pela curiosidade, nós não conseguiríamos entender o mundo que nos rodeia e unir os recursos para gerarmos um novo elemento. Os 5 sentidos são indispensáveis para a busca de informações. Este processo inicia no nascimento e nos acompanha por toda a vida, sendo um item essencial na sua busca por competências em inovação.

Criatividade

A criatividade é uma forma de pensamento em que paramos de absorver informações e começamos a processar e encontrar conexões entre os elementos disponíveis aos nossos sentidos para transformar em ideias para que nosso o dia a dia seja mais fácil. O resultado direto da criatividade são as ideias. Todos possuem criatividade e, como em qualquer caso, ela deve ser estimulada diariamente.

Cálculo

O cálculo é a forma como mensuramos tudo na natureza. Quando uma ideia é robusta o suficiente para resolver todos os elementos de determinado problema ela passa a ser uma inovação. Porém, uma inovação não é útil se não for viável economicamente.

A forma de transformá-la em algo quantificável ocorre por meio do cálculo de sua estrutura, investimento, custo e do seu possível resultado. Com este conhecimento aplicado teremos inovação na prática, pronto para ser comercializado. Um item que você consegue ajustar e aprender com exercício no seu cotidiano.

Comercialização

Para a inovação de valor concluir seu destino, ela deve passar pelo processo de preparação do produto para a venda e a venda em si, mediante o correto planejamento e preparo. O conceito amplo de comercialização é de aplicar modelos de negócio para gerar resultados econômicos.

Ao perceber que você pode melhorar sua performance e compreender seus diferenciais como profissional e pessoa, a inovação será uma consequência. Transformar ideias em um produto ou serviço dependerá da sua capacidade de desenvolvimento e sua gestão para empreender com sucesso. Inovar requer um método e o desenvolvimento de múltiplas habilidades e competências.

Uma dica final é que você também pode realizar um diagnóstico de inovação para reduzir os riscos no lançamento de seus produtos. Esta é a melhor forma de apresentação da visão geral do seu projeto ou produto. A partir dela você define um roteiro que vai auxiliar na decisão de itens essenciais (e alguns até esquecidos).

É essencial que o cenário indicado seja compartilhado entre os sócios e participantes do projeto e, mais do que isso, seja realmente avaliado entre todos para que as mudanças possam ocorrer na prática. Alguns itens podem estar evitando o seu crescimento e, no futuro, afetarão o sucesso da sua ideia, produto ou projeto em serviços.

E você, ainda tem algum mito que queira discutir? Mande pra gente! Fale conosco e agende uma reunião para iniciar seu processo de inovação!

COMO FAZER SUA EMPRESA TER TEMPO PARA INOVAR NO DIA A DIA – GESTÃO DA INOVAÇÃO

inovacao

No dia a dia corporativo todo mundo deseja inovação, todas as pessoas podem desenvolver competências para se tornarem ainda mais inovadoras.

Por mais que não pareça, a inovação não é um item isolado e que ocorra sozinha. Para conseguir inovar e ter o seu efeito prático, ela deve ser classificada como um evento organizacional e que depende de uma longa composição de fatores.

Cultura de inovação

Ao avaliar os itens culturais que mais afetam um projeto de inovação, podemos dividir em vários elementos, inclusive para que possam ser ajustados: escassez de tempo, aversão ao erro e um ambiente que impede novas ideias.

Vamos falar mais sobre o tempo, porque em nenhum local, hoje, há tempo de sobra. E, se há uma certeza no processo de inovação é a de que inovar é fazer algo que ainda não foi feito, assim sendo, sempre ocorrerão incertezas e o risco é uma variável presente em qualquer projeto, não?

Compreender um cenário, avaliar demandas de clientes ou ideias, desenvolver projetos e fazer protótipos, sem contar a parte de planejamento financeiro e de marketing são justamente itens que o processo de inovação irá consumir e exigir de você algo caro: seu tempo, como falamos há pouco.

Sem gestão do tempo para conduzir uma pesquisa, pelo menos, não será possível sistematizar o quanto tempo, será alocado pela sua inovação. Toda inovação vai consumir horas e mais horas.

Muitos profissionais, por ausência de gestão, acabam desistindo de ótimas oportunidades. Muitos não percebem que estão gastando energia em itens que não agregam valor ou são consumidos por distrações e falta de foco. Sem tempo, não haverá insights!

Inovação x rotina na empresa

Se na sua atual empresa há uma área de inovação, excelente, já temos um começo. Se ainda não, vamos ajudar você em como levar esse assunto para frente, afinal, todos precisam de tempo para inovar.

Uma dica: compreenda como a inovação é vista internamente. Sabemos que há locais com equipes 100% focadas em criar itens ou processos inovadores. Um segundo perfil é o mais comum, na qual todos os profissionais devam ser inovadores.

Para o grupo focado integralmente e totalmente inovador, o desafio é ter eficiência operacional na gestão do processo de inovação. O tempo, recurso valioso, já faz parte do pacote da equipe de pesquisadores, gerente de inovação ou até mesmo TI.

Para o segundo grupo é que está o maior desafio: o profissional é parcial na dedicação de inovar. Alguns aspectos da empresa influenciam para que a inovação possa ocorrer com esse perfil: alocar pessoas em projetos desafiadores e interessantes (para os profissionais), alinhamento de entregas e resultados com desempenho e remuneração e o reconhecimento interno desse profissional.

Mas como ajustar para inovar na minha realidade?

Nem sempre os papéis estão claros e fazem sentido, como apresentamos acima. Claro que a iniciativa começa com você (e sua vontade de fazer diferente), mas uma empresa alinhada irá ajudar no seu processo de inovação e empreendedorismo.

Abaixo indicamos um modelo que facilitará seu processo e permite que você debata internamente para escolher e combinar em um modelo que seja favorável para a inovação internamente, confira:

1) Tempo para inovar não determinado – Cada profissional irá gerir seu próprio tempo de acordo com o que considerar mais adequado, sem orientação explicita da gestão da empresa.

2) Tempo para inovar estimulado – Cada profissional irá buscar inovar dentro do seu perfil de trabalho, tempo e local. Nesse caso, a gestão irá indicar a necessidade de inovar, deixando claro que há uma orientação corporativa para isso.

3) Tempo alocado – Cada profissional irá inovar de acordo com a agenda de eventos, feiras, reuniões e locais que debatam a inovação. A agenda será organizada para inovar.

4) Tempo demarcado – Cada profissional deverá reservar um período para inovar, entre 10% e 15%, em projetos da empresa ou até mesmo pessoais. 3M e Google promovem esse modelo.

O desafio, agora, será indicar qual é o objetivo da sua empresa e qual será a melhor composição de jornada de trabalho para permitir a inovação internamente.

Não basta somente o modelo, há todo um conjunto de indicadores e modelos para avançar em inovação, mas buscar o tempo para isso já é parte da jornada.

Gostou do nosso texto? Continue lendo nossos materiais, assistindo aos vídeos. Entre em contato com a gente e agende uma reunião.

ENTENDER O MERCADO RESULTARÁ MAIOR PROBABILIDADE DE VENDAS DE SUA INOVAÇÃO

entender mercado

Quem nunca presenciou alguém defendendo uma ideia de um produto como se fosse um filho?

O criador fica tão apaixonado pela ideia, que passa a não enxergar os impactos negativos, ao ter uma ideia e conceber um produto acreditarmos que 100% das necessidades do consumidor estão atendidas, o que nem sempre é verdadeiro.

A tendência natural é pensar no produto e não no que o mercado precisa e está disposto a comprar.

A importância de entender o mercado

Quando desenvolvemos o modelo de negócio antes do produto reduzimos o risco mercadológico, estruturando uma estratégia específica e ações para que as chances de aceitação no mercado sejam maiores. Com isso a energia em desenvolvimento de produtos possa ser dedicada para geração de valor para o cliente e caixa para o pequeno e microempresário.

A criação do produto deve atender o mercado alvo

Após uma necessidade percebida a curiosidade leva ao descobrimento de que não há produtos no mercado para atendê-la. Então promove-se um projeto de produto acreditando que ele vai resolver o problema do empresário.

A ideia pode ser boa, mas se o produto não for direcionado para uma situação que o mercado aceita e paga, inovar se tornará um problema. Descobrir esse problema somente depois do produto lançado, com investimento nos processos produtivos, logística e marketing, dói muito no bolso!

Para tentar resolver esse problema muitas vezes a empresa investe ainda mais, se dedicando a otimizar o produto, reduzir os custos e expandir o público alvo. Infelizmente essas ações nem sempre trazem resultados esperados, aumentando ainda mais os prejuízos.

Um produto que atende a necessidade do mercado certamente terá mais sucesso.

Certamente seu produto posicionado no mercado será muito mais assertivo quando se opta por conhecer o mercado antes mesmo de desenvolver o produto.

É crucial entender se a necessidade identificada é a mesma de muitos e também buscar saber o quanto o mercado pagaria por uma determinada solução.

Com essa abordagem se reduz o risco de mercado, adequando as características do produto como design, custo e preço, em conformidade com a necessidade dos potenciais clientes.

A ideia pode ser boa, mas se o produto não for direcionado para uma situação que o mercado aceita e paga, inovar se tornará um problema.

Caso a ideia não seja financeira ou tecnicamente viável, a perda é muito baixa, pois consiste somente no tempo das pessoas envolvidas na atividade de desenvolvimento do novo produto.

Se o projeto for viável as informações anteriores definem a estratégia do produto e vão guiar o projeto de forma que, após o lançamento do produto, o mesmo passe a ser desejado e comprado.

Isto garantirá que a empresa obtenha o retorno do investimento e significativo lucro. Neste caso temos um círculo positivo onde a inovação passa a financiar outros projetos de produtos inovadores.

Lançar um produto que não atende o mercado poderá inibir futuras inovações dentro da empresa, pois inovar passa a custar muito caro. A empresa pode começar a criar uma cultura que inovar lançando produto é ruim, pois gera prejuízo gerando um círculo negativo – menos lançamento, mais commodity e menos lucro.

O Desenvolvimento de Produtos deve ser uma rotina na sua empresa. Nós auxiliamos os empresários no desenvolvimento de seus produtos através da aplicação de uma metodologia avançada de desenvolvimento de produtos.


Caso tenha interesse em conhecer mais sobre como aplicar sua metodologia de produtos, agende uma reunião com a gente.